gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

Dona Inah

resultado encontrado

30 05 2012

Ao som da orquestra invisível

Dona Inah sabe muito bem o que tem de fazer. Além da vida doméstica – adora costurar –, seu negócio é cantar. Sempre foi, desde a meninice em Araras, onde nasceu. Mas somente nesses últimos dez anos que a carreira de Ignez Francisco tomou o espaço que merece. Gravou seus dois primeiros dis

30 05 2012

Corri do boi, mas não pude correr da avó

Gafieiras - O especial infantil para adultos do Gafieiras desse ano (2007) fala sobre a casa da vó. Então, na entrevista de hoje, a gente vai falar tanto de sua história como artista, quanto de sua história de vida. Quais lembranças a senhora tem da casa da vó? Dona Inah - Eu tenho tantas

30 05 2012

Havia uma chácara para os negros fazerem a dança deles

Gafieiras - Ela contava histórias pra você, histórias do tempo da escravidão? Ou era somente uma figura rígida? Dona Inah - Não, ela não era rígida, era uma pessoa enérgica, mas rígida, não! Ela tratava a gente muito bem. As histórias que ela contava eram do tempo dos patrões, das d

30 05 2012

A vó me chamava de chifruda desde pequena

Gafieiras - Quando foi a última vez que a senhora viu a vó Joana? Dona Inah - A vó Joana eu vi pela última vez... Eu vim pra São Paulo em 1954, ela faleceu em 1963. Eu estive lá quando ela faleceu, depois nunca mais. De 1954 à 1960 eu estive, eu vi. Em 1960 fui à casa dela passear, minha

30 05 2012

Fui dama de honra do casamento da Inhana (com o Cascatinha)

Gafieiras - A senhora lembra qual foi a música com a qual a senhora ganhou esse primeiro concurso? Dona Inah - [ canta ] "Eu sonhei que tu estavas tão linda / Numa festa de raro esplendor / Teu vestido de baile lembro ainda / Era branco, todo branco meu amor / A orquestra tocou a valsa dolent

30 05 2012

Fui limpar banheiro público

Gafieiras - A senhora lembra quando ela começou a fazer sucesso? Dona Inah - Quando ela foi embora com o circo e com o Cascatinha, ela ficou tempo sem cantar. Ela casou e foi embora com ele. Primeira música que ela gravou acho que foi “La Paloma”. [ canta ] "Quando amanhece o dia no meu se

30 05 2012

Depois de trabalhar em banheiro, na roça, (...) hoje sou feliz!

Gafieiras - A gente sempre faz um apanhado de informações do artista antes de entrevistá-lo. Aí tem a história de um disco que a senhora fez... Quando foi? Dona Inah - Era um compacto. Foi (gravado) antes da Record pegar fogo. Gafieiras - Foi em 78 rpm, Dona Inah? Dona Inah – É, era l

30 05 2012

Vou embora pro asilo!

Gafieiras - E quais foram os grandes momentos, de alegria e de vida? Dona Inah - Marcou ter grandes amigos, de conhecer a Europa e trabalhar lá pra pessoas bacanas. Eu estive na França, na Espanha e no Marrocos. Trabalhar no Teatro Municipal, que é uma coisa que sempre desejei, me marcou muit

30 05 2012

Esse disco é um tributo ao Eduardo Gudin

Gafieiras - Dona Inah, com tanto tempo trabalhando com música, como foi selecionar o repertório para seu primeiro CD? Dona Inah – Tenho uma facilidade doida pra decorar música. Mas pra definir o repertório, poxa, tanto tempo de música, e gravar (somente) 12, 14 (músicas)... Agora também

30 05 2012

O Cidão corria até o mercado comprar frango

Gafieiras - Dona Inah, e como sua relação com o bar do Cidão? Dona Inah - Quando o Cidão abriu esse bar, nós começamos – eu e o João Macacão (cantor e violonista) – a cantar aqui. Gafieiras - E isso foi quando? Dona Inah – Ah! Nem lembro mais, faz uns cinco anos, acho. Foi em 20

30 05 2012

Ganhei o Prêmio TIM, mas trabalho mesmo não apareceu

Gafieiras - Dona Inah, pintou mais trabalho depois de gravar um disco? Que portas o disco abriu para a senhora? Dona Inah - Ah, o disco, se é bem trabalhado, abre muitas portas pra gente, sabe? O meu disco vendeu bem, tá vendendo ainda. E abriu várias portas, vários shows, né? Não sei, pod

30 05 2012

A maior escola de música que tive foi a noite

Gafieiras - Como é o dia-a-dia da senhora? Dona Inah - Meu dia-a-dia? Eu trabalho o dia inteiro em casa, onde dificilmente escuto música. Gafieiras - Quando a senhora escuta música, Dona Inah? Dona Inah - Às vezes, quando vou ensaiar, quando tenho que aprender uma música, fico escutando

30 05 2012

Meu avô ia matar os dois: minha mãe e meu pai

Gafieiras - O canto orfeônico era aquele do Villa-Lobos, né? Dona Inah - Na escola tinha aula de música, e havia uma matéria chamada canto orfeônico. A gente participava. Gafieiras - Como eram essas aulas? Dona Inah - A gente tinha que aprender a cantar vozes, e toda festa – como o Set

30 05 2012

Na hora do show o público manda na gente

Gafieiras - Dona Inah, quando a senhora conheceu o Marco? Dona Inah - O Marco eu conheci faz cinco, seis anos. Foi em 1997. Gafieiras - Foi na época do disco? Dona Inah - Foi bem antes. Nós fazíamos muito trabalho juntos. Trabalhava com um grupo de choro. Foi uma pessoa muito importante na

30 05 2012

Eu imitava a Dalva de Oliveira!

Gafieiras - Dona Inah, a senhora tinha algum ídolo em que tentou se espelhar? Dona Inah - Quando comecei a cantar trabalhei com vários artistas. Artistas que foram na cidade pra se apresentar no clube de lá. Então, uma vez foi Orlando Silva. O Luiz Gonzaga que quis me trazer pra São Paulo,

30 05 2012

Ia cantar hinos evangélicos nas penintenciárias

Gafieiras - E quais são os planos para o futuro? Depois desses dois discos, o que vem mais? A senhora tem algum projeto, algum disco que sonha em fazer? Dona Inah - Ah, eu vou fazer esses dois discos agora que são coisas que quero fazer e eu quero trabalhar. Ah! Tá muito fraco o negócio, mas

30 05 2012

Ser famosa não vai mudar a minha vida

Gafieiras - Dona Inah, como a senhora vê a fama? Dona Inah - Ah, a fama tá na cabeça da gente, né?! Eu morei seis anos em um prédio. “A senhora enganou a gente! Mora aqui há tanto tempo e não falou que era cantora!” “Ah! Porque vou falar pra vocês que sou cantora? Vou escrever uma

30 05 2012

Os maiores bailarinos do samba eram do Som de Cristal

Gafieiras - A senhora falou que cantar com as orquestras foi uma grande escola. A senhora se imaginaria hoje cantando numa orquestra? Dona Inah - Eu tenho vontade, nem que for uma única vez, de cantar numa grande orquestra. A melhor coisa do mundo é cantar com orquestra. Muito gostoso! Eu vou

30 05 2012

Eu bebia muito, tomava todas

Gafieiras - Nessa época havia grupos que eram importantes para o artista cantar, como a orquestra do Severino Araújo [ n.e. 1917 | Clarinetista e compositor pernambucano, é líder da célebre Orquestra Tabajara ]... Dona Inah - Todas as orquestras eram boas. Severino Araújo foi destaque; tin

30 05 2012

Tem que sentir amor, senão o samba fica vazio

Gafieiras – Em que ano a senhora chegou em São Paulo? Dona Inah - Em 54. Gafieiras - Como foi a primeira impressão de São Paulo? Foi a primeira vez que a senhora veio pra ficar? Dona Inah - Ah! Foi tudo! Meu pai quis vir porque achou que eu ia ser uma cantora um dia, né! Gafieiras - Ne

30 05 2012

Tu não tentes voltar, nunca mais eu te perdoarei

Gafieiras - Junto com o Heron (Coelho) foi definido um recorte de repertório que é mais ligado ao samba. A senhora se define sambista ou intérprete? Dona Inah - Como intérprete eu não sei, mas eu acho que sou sambista. Eu gosto de samba, do samba bom. Gafieiras - Falar que a senhora é (so

30 05 2012

Primeiro rádio que tivemos em casa eu já estava com 20 anos

Gafieiras - Tem alguém do samba, na sua relação como fã, que te decepcionou? Sabe aquele ídolo que caminhava pra cá, foi pra lá, e a senhora falou “Não gosto mais desse tipo de música ou desse artista”? Dona Inah - Não, eu acho que isso nunca aconteceu comigo. Gafieiras – Como e

30 05 2012

O Adoniran ficava sentado tomando umas biritas

Gafieiras - Dona Inah, a senhora é muito amiga do Eduardo Gudin, e ele também foi parceiro do Adoniran Barbosa. A senhora conheceu o Adoniran? Dona Inah - Adoniran conheci na Record; ele estava sempre lá. Na noite, ele ficava numa casa na Consolação que nem existe mais – hoje é um barrac

30 05 2012

Faço todo mundo chorar quando tô cantando

Gafieiras - A senhora é uma pessoa de personalidade forte. Dona Inah - Não, eu sou muito calma, tenho uma calma muito grande. Gafieiras - Mas a senhora tem opinião? Dona Inah - Tenho. Eu tenho opinião. Gafieiras - A senhora se considera muito emotiva? Dona Inah - Eu sou muito emotiva.

30 05 2012

Ele nem sabe que eu fiz a letra de Summertime

Gafieiras - Dona Inah, como é a senhora analisa sua voz durante esse tempo? Hoje é o melhor momento? Como ela está? Dona Inah - Ah, a minha voz é a mesma. Deve ter mudado um pouco, né, porque a gente tá velha hoje. Velha, meio transviada assim, né? [ risos ] As vozes das pessoas mudam, ma