gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

Vânia Bastos

Vânia Bastos. Foto: Dafne Sampaio/Gafieiras

Vânia Bastos

parte 1/20

O céu de Ourinhos é a coisa mais linda!

Tacioli – Vamos lá?
Vânia – Hoje está quentinho. Será que eles ligaram o ar? [pausa] É www.gafieiras.com.br?
Tacioli – Isso.
Vânia – Gafieiras.
Tacioli – Seu nome é Anderson?
Anderson Bueno – Isso.
Tacioli – Vânia, este é o cartão do Gafieiras.
Vânia – Obrigada.
Almeida – Podemos começar, né?
Tacioli – Podemos.
Almeida – Vânia, você se considera mais paulistana hoje em dia, ou a herança que você trouxe de Ourinhos é muito evidente ainda?
Vânia – Acho que sou mais paulistana, mesmo. Quero dizer, são vinte e tantos anos aqui. Sou superpaulistana num certo sentido, mas as raízes a gente não esquece nunca, ainda mais que vivi em Ourinhos até os 17 anos. Então, as influências musicais, aquelas coisas do irmão que comprava discos, e tudo o que vivi de início, da paixão por música, aconteceu lá. Tenho muitos sonhos que se passam lá. Quase 100% dos ambientes são de Ourinhos, mas as pessoas são daqui. É muito engraçado.
Almeida – Ourinhos não é mais como você o tem em seus sonhos?
Vânia – Mudou um bom tanto, mas ainda tem muita coisa igual.
Tacioli – Você continua com familiares lá?
Vânia – Continuo. Vou para lá pelo menos duas vezes por ano. Vou daqui a pouco, porque tenho os filhotinhos e os avós são vivos. Temos que aproveitar as férias para dar uma passeada por lá. É muito bom.
Almeida – Há um lance de se recarregar ao voltar para as referências de sua infância, de sua juventude?
Vânia – Há. Gosto muito de lá. Gosto muito de ver o pôr-do-sol, ver o céu de Ourinhos, que é a coisa mais linda. Não tem nada de muito diferente, mas é lindo. [ri] E é assim, viver coisas dali, tomar um café da tarde com o pai e com a mãe naquela cozinha de casa. Aquelas coisas deliciosas e muito simples.
Tacioli – E a casa é a mesma?
Vânia – É a mesma casa em que nasci, em que me criei. Tudo está lá. E tudo é mais legal por causa disso, porque ficar mudando tira essas raízes.

Tags
Eduardo Gudin
Vânia Bastos
de 20