gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

Thaíde

Thaide-940

Thaíde

parte 26/32

A situação atual é assim... é a imagem

Daniel – E no rádio, Thaíde?
Thaíde – Já fiz uns programas em rádios comunitárias, mas nunca em rádio grande. Mas é legal fazer rádio, é um bagulho louco.
Tacioli – Você acha que o pessoal do rap, tanto faz rádio ou TV, ele está antenado?
Thaíde – Está. Porque é o seguinte. Se é TV, o cara quer ver o que o outro vai fazer, quer ver a qualidade do programa, como é o formato e tal. No rádio é aquele lance do poder que ele tem e que nunca vai terminar, nunca vai acabar. Que é diferente do poder que a TV tem, porque a TV mostra, você está vendo como é. No rádio você imagina como está sendo. É um bagulho muito louco e muitas vezes a música é mais interessante de ouvir que ver. Por outro lado, já comprei disco porque vi o videoclipe da música. Então, são duas forças aí que tem que andar lado a lado e a gente tem que usar as duas. E isso não está sendo usado pelo hip hop brasileiro. Só de vez em quando a gente aparece em algum lugar.
Tacioli – Você acha que o clipe enfraquece o discurso do rap…
Thaíde – [interrompendo] Claro que não!
Tacioli – … Por mostrar as imagens ao em vez do cara só prestar a atenção na letra e criar sua própria imagem?
Thaíde – Não, não. Hoje a gente… acredito que a gente tem que saber como está a situação e a situação atual é assim… é a imagem. Então, tenho os videoclipes, os programas que divulgam os videoclipes, e isso ajuda as pessoas saberem quem nós somos. Às vezes, as pessoas ouvem a nossa voz e não sabem como a gente é. Tem gente aí no Brasil inteiro que não tem meu disco, e não viu a minha cara, mas já ouviu minha música e, de repente, o cara está na frente da televisão, vê minha cara, vê o videoclipe e diz, “o cara é bonito, vou comprar o disco”. [risos] Tudo isso, entendeu?

Tags
Dj Hum
Hip hop
Rap
Thaíde
de 32