gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

Raul de Souza

O trombonista Raul de Souza. Foto: Henrique Parra/Gafieiras

Raul de Souza

parte 0/22

Tá muito moderno, menino!

“Vocês topam entrevistar o Raul de Souza, aqui no MIS, amanhã?”. Era um sábado à noite e quem estava do outro lado da linha era Teresa Benassi, amiga e coordenadora do setor de áudio e música do Museu da Imagem do Som paulistano. Oferta irrecusável. Não só pelo fato de que o carioca é referência viva, e mundial, quando se fala de trombone, mas também por viver fora do país (na França, há pouco mais de seis anos). A súbita vinda ao Brasil tinha dois motivos, dois lançamentos: um CD (Elixir), gravado com os franceses do Claire Michael Group, e um documentário sobre sua vida (Viva volta, de Heloísa Passos). Convite aceito.

Montamos toda a parafernália para a entrevista sobre o histórico palco do Teatro do MIS e tivemos até o luxo de poder ajustar as luzes e arrastar, um pouco, o piano da casa para fazer o melhor ambiente possível. Raul chegou acompanhado da mulher francesa, Yolene, e logo se mostrou falante e com uma memória das mais afiadas. O homem-músico Raul pode ser descrito como aquele que criou o som moderno, meio jazz e meio gafieira, do trombone brasileiro, ou então o músico-homem que tocou com figuras das mais diversas, desde Tom Jobim até Roberto Carlos, desde Maria Bethânia até Ná Ozzetti, desde Sarah Vaughan até Freddie Hubbard.

A fama de doidão o perseguiu durante um bom tempo e ali, em cima do palco do MIS paulistano, Raul de Souza continuava parecendo doidão, mesmo bebendo apenas água. Talvez seja um jeito meio que sem atenção de ver a vida. Ou talvez um bom humor impermeável a mágoas. Ou ainda uma alegria imensa em jogar conversa fora. Uma coisa é certa: o trombonista é um interlocutor cheio de memórias e detalhes, mas dono de poucos questionamentos. Dá para imaginar que a fala de Raul de Souza tem muitas voltas e só mesmo ele sabe onde vai parar. Jogamos então um óleo na pista e conseguimos um bom pedaço desse carioca do subúrbio, músico do mundo e homem-trombone-doidão.

Tags
Música instrumental
Raul de Souza
de 22