gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

Palavra Cantada

Palavra Cantada. Foto: Max Eluard/Gafieiras

Palavra Cantada

parte 5/27

A gente coloca no show algo que vai mobilizar as crianças

Gafieiras  Mas como funciona em um show? Existe a expectativa de que uma música que é apresentada pela primeira vez ao público infantil não surta efeito?
Paulo – A gente somente coloca no show algo que a gente sabe que vai mobilizar as crianças.
Gafieiras  As músicas novas?
Sandra – Sim, sim, músicas novas.
Gafieiras  Mas como vocês sabem que uma música nova vai funcionar?
Sandra – Por causa da forma como está montado o roteiro do show, do ritmo que ele tem, em que lugar essa música entra, porque ela não fica isolada, e sim dentro de uma família. Aí: “Poxa, essa música não fica legal porque já tem duas lentas próximas”.
Paulo – A gente faz um repertório de show para teatro fechado e um outro para o ar livre. E também a gente muda um pouco o repertório dependendo da praça onde a gente está. Se a gente está em São Paulo, você arrisca fazer umas músicas lentas, se a gente vai pra Fortaleza, tira todas aquelas músicas e coloca as músicas mais antigas do repertório que a gente já não apresenta mais em São Paulo. Músicas como “Ciranda”, “Aniversário” e “Pomar”. Lá em Fortaleza, a gente ainda põe “Pomba”, “Aniversário”…
Sandra – Porque eles não conhecem essas músicas.
Paulo – Para essas praças a gente já sabe a resposta, já sabe que funcionou anteriormente, à primeira vista.
Gafieiras  Vocês não têm um ouvinte ideal?
Paulo – Mais ou menos. O ouvinte ideal é de seis a dez anos de idade, menos que seis eu acho que não é o ideal, porque ele cansa. Em um show de 50 minutos ele cansa. A criança vai, vai, vai e, de repente, dorme.
Sandra – Eu pensei que você tivesse perguntando do ouvinte ideal, segundo a classe social. Hoje, por causa da TV Cultura, a gente pode ir para qualquer lugar de São Paulo, como fomos em todos os lugares de São Paulo, como com os shows que a gente fez nos CEUs. As crianças cantaram as músicas, na Vila Curuçá, no CEU Veredas, no São Carlos, que é lá no extremo sul…
Gafieiras – Esse público já conhecia as músicas?
Paulo – Via TV Cultura e, às vezes, via Prefeitura, porque, no comecinho do governo da Marta, foram dados os CDs da gente para todas as escolas. Foram distribuídos em todas as escolas, creches e escolinhas de primeiro grau de São Paulo…
Gafieiras – Vocês sabem a quantidade de CDs distribuídos?
Paulo – Mais ou menos esse quarto. [n.e. O cômodo do escritório da Palavra Cantada em que a entrevista estava sendo realizada] Era um volume de CDs muito grande que ficou estocado aqui. Era uma coisa de 400 unidades de cada. Era bastante! Daí ficamos muito conhecidos.

Tags
Grupo Rumo
Música infantil
Música para crianças
de 27