gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

Ná Ozzetti

NaOzzetti-940

Ná Ozzetti

parte 0/28

Uma palavra de cada vez

Era a segunda vez que o Gafieiras saía de São Paulo para entrevistar alguém. O cantor e compositor Noite Ilustrada foi o primeiro a receber a equipe, lá em Atibaia em 2001. Sete anos depois, já sem o Fusca creme de Daniel Almeida, o Gafieiras corre para Jundiaí, cidade vizinha da capital paulista que hospeda em seus limites o sítio de Ná Ozzetti. Paulistana de voz e alma, a cantora e compositora reside desde 2000 entre árvores, plantas, horta e bichos de diferentes famílias, dividindo o comando com o marido Neco e o pastor alemão Tupi. E foi assim, nesse ambiente brejeiro, que vimos pelo janelão da sala a tarde se abrir e se despedir.

Zeladora de uma voz sem fim, Ná tem uma carreira que mescla coerência, ecletismo e ousadia, sempre em combinações aplaudidas pela imprensa e público. Coerência que respeita o universo construído desde a infância, quando se amarra pela música juvenil de Rita Pavone e Roberto Carlos, e depois pelos repertórios de Elis Regina, Mutantes e Chico Buarque. Como mesmo disse durante o papo de mais de duas horas, “era uma esponja captadora”.

Essa variedade que antecede sua carreira profissional ganha novos hectares a partir de sua entrada no Grupo Rumo, ícone da Vanguarda Paulista, quando desbrava o canto falado, os craques da era de ouro do rádio e os primeiros mistérios e fascínios da vida sobre o palco. E assim o tempo passa numa narrativa que avança, ricocheteia e abre outros janelões, revelando cores da trajetória de Ná além daquelas já estampadas nos discos da carreira-solo, das parcerias com Itamar Assumpção e André Mehmari, e dos enlaces em sambas, rocks, MPB e jazz.

Umbilicalmente ligada a São Paulo, com quem alimenta uma relação de paixão (por tudo o que é) e de tristeza (por tudo o que poderia ser), Ná encontrou em seu sítio a tranquilidade da infância, muito mais verde e silenciosa, onde recebe amigos, planta, cuida dos bichos e deixa o tempo ali, vivendo sua própria vida.

Uma mesa enorme, cheia de sucos, café, doces, bolos e pães-de-queijo, preparada por Dona Lúcia, mãe de Ná, presenciou conversas que ficaram na memória. Na despedida, anúncio do novo trabalho, o show e o CD Balangandãs – lançado no primeiro trimestre de 2009 –, em que reverencia uma de suas influências, a cantora Carmen Miranda.

Tags
Ná Ozzetti
de 28