gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

Irmãs Galvão

Irmãs Galvão. Foto: Dafne Sampaio/Gafieiras

Irmãs Galvão

parte 19/24

O Daniel e o Chitãozinho & Xororó têm uma postura fantástica

Tacioli – Falando um pouco deles… O que esse pessoal do sertanejo de agora  somente o Chitãozinho & Xororó  trouxe de bom musicalmente, além de terem aberto as portas?
Marilene – Você sabe que nós costumamos assistir a todos os shows que podemos ir. A Mary mais do que eu, porque ela vai com o Mário (Campanha), que é produtor da maioria dos discos desse pessoal. Então, acho que para nós é muito bom que estejamos junto com esse pessoal. Mesmo porque, além deles respeitarem o nosso trabalho, a gente também pode aprender com eles. A gente aprende com os jovens também. Alguma coisa diferente no palco. Até podemos criticar alguma coisa porque temos essa liberdade, mas acho que tem uma turma boa por aí, viu?
Dafne – O que você aprendem com eles? E o que criticam?
Marilene – E o que nós podemos passar, né? Acho que quando eles assistem aos nossos shows, eles vêem agradecer alguma coisa que aprenderam com a gente. E o que eles passam pra nós? É essa…
Mary – Alegria.
Marilene – Essa alegria do palco. Apesar que sempre fomos assim. A maneira de tratar o público.
Mary – Gosto muito da postura do Daniel.
Marilene – É, o Daniel é fora de série.
Mary – Tem uma postura fantástica. É a mesma linha do Zeca Pagodinho.
Marilene – Do Chitãozinho & Xororó.

assuntos relacionados
Eles cantam muito bem, são de família caipira.

Inezita Barroso

Tacioli – Mas se fala muito que eles modernizaram a música sertaneja e que essa modernização veio a partir do country, do pop americano…
Marilene – As roupas, os instrumentos.
Tacioli – Isso é uma coisa que incomoda vocês?
Mary – Não. Eles estão na deles.
Tacioli – Isso é um debate sem fim, mas você acha que isso é bom para música sertaneja?
Mary – A gente pode colocar assim: música sertaneja é música sertaneja. Ela não muda nunca. Ela pode ter agora um tratamento de som, a interpretação… Apesar que muito pouca coisa mudou, pois quem cantava desse jeito continua cantando dessa forma. E nunca deixou de ser moderno, não deixou de ser atual. E além de ter aberto todas as portas para a música sertaneja, esse pessoal fez o brasileiro não ter mais vergonha de falar que gosta de música sertaneja, porque sempre gostou, mas tinha vergonha… E isso nós devemos a essa geração.

Tags
Irmãs Galvão
de 24