gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

Inezita Barroso

InezitaBarroso_940

Inezita Barroso

parte 12/22

“Senta em cima dessas porqueiras e fale com as suas palavras!”

Almeida  Inezita, na época do rádio muita gente conhecia somente a sua voz. Com a TV isso talvez tenha se invertido, já que as pessoas começaram a ver a dona daquela voz. Você sentiu essa diferença?
Inezita – É, e tem um detalhe engraçado… O Vinicius de Moraes, na primeira vez que ele veio pra São Paulo, ele me ouviu, mas não sei se foi em disco ou pela televisão em branco-e-preto. Ele falou: “Quem é essa preta?”. Ele estava com a Tônia Carrero. Ela falou: “Não, ela é branquíssima. É a Inezita Barroso”. “Ah, não, isso é voz de negra.” Depois eu fui apresentada a ele, ele ficou olhando assim pra mim. “Você nasceu com a voz errada.” [ri] Mas muda, sabe, porque nem sempre quem opera o som e a luz é um craque, é um profissional super competente. Então, você cada dia saía com uma cara, cada dia com uma voz ou então a orquestra abafava sua voz… E quando me ouvia no palco, sem microfone, “Pô, olha que voz!”. [ri] Eu estou atrelada aos técnicos, o que eu vou fazer?
Dafne  Inezita, você estava no começo da televisão no Brasil. Como é que os artista viam, ou como você via essa nova mídia? Vocês davam importância ou achavam que era somente mais uma coisa?
Inezita  Não, todos queriam fazer, menos alguns artistas de teatro que achavam que aquilo era de segunda, televisão não era arte. No fim muitos se dobraram e fizeram novela. Mas no começo não, quem era de televisão, era de televisão, quem era ator ou atriz de teatro, não se misturava.
Tacioli  Mas a maioria gostava?
Inezita – Gostava. Cantores e tudo, era muito diferente, todo mundo queria aparecer.
Tacioli – E quem era de rádio gostava, via uma possibilidade diferente na TV, Inezita?
Inezita – Quem era de rádio? Vou te dar um exemplo… O Moraes Sarmento. O Moraes Sarmento quando entrou pra Televisão Cultura já tinha muitos anos de rádio Bandeirantes, de todas as rádios. Ele era um rei na rádio. E aí ele dizia pra mim, “O que eu vim fazer aqui? Eu não gosto de televisão. Eu tenho tantos anos de rádio!”. “Sarmento, vá em frente. Isso aqui é uma coisa moderna, diferente. Você tem que andar pra frente”. No fim ele já estava gostando. Aí ele aceitou bem, já estava à vontade. Mas nos primeiros programas, nervoso, lendo a ficha, porque em rádio você pode ler. “Senta em cima dessas porqueiras e fale com as suas palavras! Não tem que decorar vírgula”. Mas havia uns produtores muito chatos na Cultura…
Tacioli  … E tinha que ler a vírgula.
Inezita – Uma vez ele parou o Sarmento, que tinha o dobro da idade dele e era um homem consagrado em rádio, e falou: “Pára, pára, pára!”. Já era na era da gravação. E o auditório lá. “Sarmento, repita essa frase!” Eu queria pular no pescoço dele. O Sarmento ficou meio vermelho, mas repetiu a frase. “É porque aqui você errou uma vírgula.” Na cara do auditório. Tem gente que não se manca, somente pra se exibir. Ele ficou mais de 10 anos comigo apresentando o Viola. No fim ele já estava acostumado. E foi muito bom apresentador. Apresentar não é tão difícil, você aprende. É só você conseguir localizar as pessoas direitinho, saber o que vai perguntar pra elas; conhecer o elenco é muito importante, porque tem lugares onde você vai cantar ou dar entrevista e nêgo nunca ouviu falar do seu nome… então, fica um diálogo de louco, né? E quantos que a gente pegou em que a própria pessoa se arvora de apresentador de TV. Sempre tem uma ciência por trás disso, não é assim. Então durante um certo tempo não se exigia uma qualidade especial pra ser apresentador. No começo, a televisão pecou um pouco por isso, porque um apresentador de rádio tinha que pronunciar as palavras, falar um português bem falado, passar uma emoção pro ouvinte, até chegar a era das carinhas bonitas e, atualmente, das bundas, né? Então, pronto, qualquer um é apresentador, é atriz… Então fica assim aquela repetição, você liga um canal, vira pro outro, é igual, vira pro outro é igual, só muda a loira para a morena e roupa.
Fernando  Às vezes, você encontra o mesmo entrevistado nos dois programas, ao mesmo tempo.
Inezita – Exatamente. O que é muito chato.

Tags
Inezita Barroso
Música caipira
de 22