gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

Herminio Bello de Carvalho

Herminio-940

Herminio Bello de Carvalho

parte 18/18

Sou um cara que anda no fio da navalha

Tacioli – Herminio, pra fechar. Percebe-se, pela entrevista, que o seu cotidiano é extremamente envolvido com a música. Mas fora isso, como ele é? Você falou que seu pai andava muito…
Herminio  É, meu pai era um andarilho.
Tacioli – E você também anda pelo Rio?
Herminio  Não, mas eu andava bastante. Até por obrigação, já que o médico queria que eu andasse. Tive que fazer uma angioplastia há três anos. Isso me obriga a ter uma vida assim, fazer exercício, mas eu não tenho feito. Sou um cara que, permanentemente, anda no fio da navalha. Eu não cuido disso. Cuido muito pouco da saúde. Durmo muito pouco. Tomo 4070 comprimidos por ano.
Tacioli  4070?
Herminio  Pra manter esse negócio funcionando. E tenho insônia. Às vezes acordo à uma da manhã, vou pro computador e trabalho, trabalho e durmo um pouco mais – tomo remédio pra dormir. Aí já acordo, trabalho mais. Trabalho o dia inteiro. Eu produzo muita coisa.
Tacioli  E o computador é um aliado?
Herminio  Um aliado e também um inimigo. Ele me odeia. Também, dou porrada nele. Tem coisa que ele faz que eu não sei o que ele está fazendo. Ele não me obedece muito. É muito desobediente! [pausa] Meus amigos, adorei dar essa entrevista… Se faltou algo, podemos fazer em outro dia, e com o maior prazer. Agradeço a vocês.

Tags
Herminio Bello de Carvalho
de 18