gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

DJ Patife

DJ Patife. Foto: divulgação

DJ Patife

parte 21/23

Sempre fui feliz, feliz, feliz... e duro

Gafieiras  E o que te perturba hoje?
Patife  O que me perturba hoje é como está o mundo, a falta de respeito. A falta de respeito é simples. Você tá no trânsito, deixa o cara passar, tá ligado? Por exemplo, vou chegar num hotel cinco estrelas – aqui não acontece muito, mas fora você é tratado como uma pessoa – o cara vai me esnobar. Isso me incomoda muito, muito, muito. Falta de paciência me incomoda. E ver a diferença que existe no mundo, tá ligado? Eu, com dez milhões de reais aqui e um cara ali na rua sacando o cesto de lixo. O mundo não precisava estar nessa situação. Às vezes falo sem saber, falo bobagem, mas um cara que tem dois A3 e uma BMW, uma puta mansão em Alphaville e uma casa em Maresias e um flat em Miami, não precisava perder tudo isso, mas se ele pegasse 20 mil reais e, “Entregue isso pra uma associação séria”, acho que melhorava, cara. Tem dinheiro mal distribuído no Brasil. Não entendo nada de política, não entendo de economia, não entendo nada, nada, mas isso me incomoda, cara, essa diferença social! Porque, porra, meu, hoje vejo que eu tive que mudar minha situação de CIC, prestar conta… Por ter tirado meu visto pro Japão, tive que declarar Imposto de Renda. Eu não declarava. Tive que fazer de isento, pagar INSS e arrumar um jeito de ser autônomo. Aí, o que fiz: fui na porra da OMB tirar uma carteirinha de músico pra poder ser autônomo. O que aconteceu hoje? Tenho que pagar contador, tenho que declarar Imposto de Renda, essas coisas… Se entra dinheiro na minha conta, Deus me livre, surge um xarope desses, “Ah, deixa eu ver essa conta”, aí tô fudido, meu! Olhem o que eu pago: IPTU, ICMS, ISS, honorários, IPVA, licenciamento, IPTU. Já falei, água, luz, e telefone? Onde vai essa porra desse dinheiro todo? Essa é uma das coisas que mais me incomodam, tá ligado?
Gafieiras – A música foi um caminho para desembaçar essas histórias?
Patife  Cara, a música foi um dos momentos de ombro, tá ligado? Na hora em que eu via uma briga em casa ou mesmo minha mãe tomando uns petelecos era quando eu tinha aqueles cinco minutos tristes, mas eu dizia, “Deixa escutar uma música da hora pra eu pensar noutra coisa…” Não quero demonstrar pra vocês que minha vida foi um mar de lama, mas sempre fui feliz, cara, mesmo duro, fudido, vivendo a situação em que sempre fui feliz, em que sempre fiz o que eu quis. Aí depois que fui para a discoteca pela primeira vez – uma matinê – não parei mais. Todo domingo na matinê. E quando comecei a sair à noite, fiz tudo o que eu queria: sempre fui feliz, feliz, feliz… e duro! Tive problemas, mas sempre fui feliz. Vou morrer falando isso, “Ser feliz é a coisa mais importante da vida”. Se você não tem felicidade, você não tem vontade de conversar com amigos, você não tem vontade de sair… Ser feliz é a coisa mais importante da vida, porque com tudo que passei, eu estava sempre feliz e isso… É foda, mas olhem onde estou hoje. [risos]

Tags
DJ Patife
Música eletrônica
de 23