gafieiras

gafieiras

Entrevistas de música brasileira

André Abujamra

André Abujamra por Dafne Sampaio

André Abujamra

parte 20/26

Vou fazer 80 releases diferentes do meu novo CD

Tacioli – André, seus trabalhos costumam ser bem aceitos pela crítica. Como é sua relação com ela? Há alguma expectativa?
Abujamra – Sou muito desorganizado com relação a isso. Se você perguntar pra mim se tenho algum material… Não tenho material nenhum e tenho um certo pé atrás, porque houve uma época em que o Karnak deu uma estouradinha meio pop. Foi com o segundo disco, Universo Umbigo. Fizemos mais shows, começamos aparecer mais na TV… Fomos fazer João Kleber!
Almeida – Aquilo foi bem bizarro.
Abujamra – Foi bem trash, foi bem trash. E naquela época a crítica começou a falar muito mal. Então…
Tacioli – Mas o que falavam?
Max Eluard – Vocês estavam fazendo qualquer coisa, vendendo a alma…
Abujamra – Falaram que o som era ruim, bem o contrário do que falavam. Crítica é uma merda! Quando você é cult, você é maravilhoso. Quando começa a ficar mais famoso, você é uma bosta. Então, eu tenho um problema com jornalismo. Até eu ia falar pra vocês…
Almeida – Não somos jornalistas…
Abujamra – Não fiquem com medo.
Almeida – Vê bem o que cê vai falar. [risos]
Abujamra – Vou falar. Acho que cheguei a comentar. O que acontece hoje em dia? Tem muita gente jovem escrevendo em jornal grande. Tem muita gente jovem escrevendo em home page fudida de grana. E essas pessoas trabalham com copy-paste, entendeu? Então isso é uma coisa que vou falar também nesse meu próximo trabalho…Copy-paste é o seguinte: eu já sou irmão do meu pai, o Mauricio Pereira é filho do Antônio Abujamra, que tocou no Karnak, o Mauricio Pereira toca no Karnak, o André Abujamra é irmão da Clarisse Abujamra… É tudo muito rápido e muito errado. A informação está muito errada. Ela é muita, mas é muito errada! O pessoal doGafieiras fez show com o Mauricio Pereira no SESC Itaquera [risos], o Mauricio Pereira é dono do Gafieiras… Meu, as coisas vão, e vão, e vão, e tão erradas… porque eu estou falando disso?
Tacioli – Por causa da crítica.
Abujamra – Então, as coisas estão muito novas. Elas estão muito rápidas, com muita informação e muita coisa errada. Então, bicho, não dá pra você confiar. Falta tempo. Falta estofo. A palavra é estofo. Neguinho com 19, 20 anos não tem o estofo da vida.
Dafne – Nem estofo de ouvinte.
Abujamra – É. Então ele pega, faz um copy-paste de uma crítica do Pedro Alexandre Sanches com outra do Marcelo Rubens Paiva, faz a coisa dele e manda. Aí o que acontece? Fica tudo errado. Sabe o que eu vou fazer no meu trabalho-solo? Vou fazer 80 releases diferentes. [risos] Falando sério! Vou mandar… Em um eu tô fazendo música punk, daí meu negócio é música clássica com instrumentos orientais, Vou… Porra, vão falar tudo errado mesmo! Sempre! Vou falar que sou pai do Antônio Abujamra, que sou mãe do Mauricio Pereira… Tudo porque as pessoas erram, meu! Talvez assim as pessoas não façam copy-paste. Em um release vai tá música punk e em outro música medieval. Tô fazendo punk medieval?
Tacioli – Você não leva a sério a crítica?
Abujamra – Não dá pra levar a sério crítica.
Tacioli – Mas você já levou?
Abujamra – Já. Quando falam mal de mim eu sofro muito. Até fiz uma música. Tem um cara, o Jotabê Medeiros, do Estadão… O cara não ouviu o disco e falou que minha banda era natimorta. Porra, quero que essa cara se foda! Artista que fala que não liga pra crítica tá mentindo. Eu ligo! Se chegam pra você e falam que o Gafieiras é uma bosta, você vai ficar feliz? Vai ficar puto, não vai? A gente fica puto.
Tacioli – Mas o que é crítica séria hoje em dia?
Abujamra – Tem um cara que eu gosto, o Carlos Calado. Ele é um cara que fala bem, fala mal, fala o que for, mas tem estofo. Você leu aquele livro do Mutantes que ele escreveu? O cara tem estofo. Se um cara assim fala mal de mim, eu vou ouvir e “Porra, ele tem razão, vou atrás!”. Crítica é isso, não é destruir alguém. É mostrar… “Karnak é legal pra caralho, mas está se repetindo”. É verdade, está se repetindo… Isso é uma crítica. Isso ajuda. Aquele cara, o Álvaro Pereira Junior, editor de…. fala coisas lá que ninguém nunca ouviu e destrói todo mundo…
Dafne – Brasileiro.
Abujamra – Destrói todos os brasileiros. Uma vez ele me destruiu. Fiquei até feliz… Falou mal do Universo Umbigo, mas não falou muito mal… Falou algo como “Esse cara pega vários músicos bons e fica misturando sons que nem o André Abujamra do Karnak!”. Porra, pega vários músicos bons e fica misturando sons? Tava falando mal do cara, mas acabou falando bem. [risos]. Eu acho esse cara meio daninho, sabe? Vende jornal, mas é meio daninho. Palavra boa, né? Daninho.

Tags
André Abujamra
Os Mulheres Negras
de 26